quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Ecosolar vai produzir placas em PE




Ecosolar vai produzir placas em PE

Valor Econômico
 
Josette Goulart | De São Paulo
11/11/2010

O governo de Pernambuco e a Ecosolar do Brasil assinam hoje protocolo de intenções para instalação da primeira fábrica de placas solares de grande porte no país. Os investimentos previstos para erguer o projeto são de US$ 350 milhões e a ideia é produzir por ano 800 mil placas que juntas tem capacidade de gerar 120 MW de energia, com base na tecnologia suíça da empresa Oerlikon. O plano de negócios é todo feito com base em preços para o consumidor final que podem baratear significativamente o custo da energia solar no país.

A Ecosolar ainda é uma empresa pré-operacional e o plano de investimento está na fase de fechar aportes de capitais e pré-contratos com clientes finais. De acordo com o presidente da empresa, Emerson Kapaz, o primeiro sócio que já se comprometeu com o investimento é o fundo espanhol FXX Corporate que deve aplicar US$ 40 milhões na fábrica. A empresa ainda negocia com um fundo americano e uma grande empresa de energia. Além disso, já começam as negociações para o financiamento do BNB.

A fornecedora de todos os equipamentos e da tecnologia é a empresa suíça Oerlikon, que produz um tipo de placa que permite o custo mais baixo da energia solar. A tecnologia é conhecida como 'thin film', em que é feito um jateamento de silício entre duas placas de vidros. As placas podem ser usadas inclusive como janelas de edifícios, e por absorver o calor também reduziram custos com ar-condicionado das empresas.

A expectativa é que cada placa, que gera 140 Watts de energia, custe ao consumidor final R$ 320 e tenha duração de 25 anos. Para produzir 1 MW, o investimento seria de R$ 2,3 milhões. Para ter uma base de comparação, a MPX Energia, empresa de Eike Batista, anunciou recentemente um projeto de energia solar que deve lhe custar em torno de R$ 10 milhões para produção de 1 MW. Ou seja, a nova tecnologia baratearia em cerca cinco vezes o custo dessa energia.

O presidente da Ecosolar do Brasil, Emerson Kapaz, diz que o objetivo é fechar contratos de fornecimento de placas para clientes antes mesmo de a fábrica já estar em funcionamento. Existe uma negociação com os suíços para que as placas comecem a ser importadas antes de a fábrica entrar em operação. Ele conta ainda que a negociação corre em torno de uma parceria com grande empresa distribuidora de energia em que os clientes teriam um preço fechado de energia para todo o dia. As placas geram energia somente com luminosidade natural, portanto, não produzem energia à noite. Além disso, o objetivo da energia solar é baratear o custo no pico de consumo.

Outro cliente potencial da nova fábrica são os projetos de energia eólica, que produzem principalmente à noite. Muitos parques só possuem as torres e as placas poderiam ser instaladas nos terrenos que ficam vazios.

O projeto tem o apoio do governo de Pernambuco, que de acordo com o diretor-presidente da agência de desenvolvimento do Estado, Jenner Guimarães, assumiu o compromisso de doação de um terreno de cinco hectares para a instalação da fábrica.


Nenhum comentário:

Postar um comentário